You are currently viewing Dicas de amamentação: como amamentar sem complicações

Dicas de amamentação: como amamentar sem complicações

Apesar de ser algo natural, a amamentação nem sempre é fácil, principalmente nos primeiros meses após o parto. Veja dicas para superar possíveis dificuldades!

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda amamentação exclusiva para os bebês até 6 meses de idade, por uma série de razões: o aleitamento materno previne infecções respiratórias, evita diarreias, reduz o risco de obesidade, de alergias e de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão e colesterol alto.

Além disso, amamentar é um ato de amor que fortalece o vínculo entre você e seu bebê. Ou seja, os benefícios da amamentação são muitos! 

Porém, o aleitamento não é algo tão simples quanto pode parecer, já que muitas mamães, especialmente as de primeira viagem, acabam tendo algumas dificuldades durante a amamentação. 

Veja como superar essas dificuldades, pois, como sabemos, o leite materno é muito importante para a saúde dos bebês e nada melhor do que estar bem informada para saber como viver essa experiência tão gratificante para mães e filhos!

Os 5 principais problemas da amamentação

A falta de apoio e de informação leva muitas mães a desistirem de amamentar os seus bebês. Veja a seguir, como prevenir e superar os problemas mais comuns na amamentação!

1 – Fissuras nos bicos dos seios

Nas primeiras semanas após o parto, amamentar o recém-nascido pode ser uma tarefa difícil, pois os seios levam algum tempo para se habituar à amamentação e é comum que surjam desconfortos que podem ser bem desagradáveis, como as fissuras nos bicos dos seios (o popular “bico rachado”).

De acordo com profissionais de saúde, essas fissuras são o maior problema enfrentado pelas mães e resultam da pega errada, ou seja, quando o bebê não abocanha toda a aréola, somente o bico do seio.

Fique atenta: quando o bebê mama deve estar com a boca bem aberta para pegar uma boa parte da aréola, o narizinho deve ficar livre, o queixinho encostado no seio e a bochecha cheia.

2 – Mamilos invertidos ou planos

Há mulheres que têm os bicos dos seios voltados para dentro (mamilos invertidos) ou que não ficam nem para dentro e nem para fora, mas quando estimulados se projetam (mamilos planos).

Isso dificulta – mas não impede – a amamentação. No começo é mais difícil para o bebê conseguir manter a pega, porque o mamilo invertido ou plano impede que ele consiga sugar direito.

No entanto, fazendo massagens – busque orientação com o médico pediatra quanto a isso, pois ele dirá qual é a maneira correta de massagear os mamilos – e corrigindo a sua postura, colocando o bebê bem próximo do seu corpo pode solucionar esse problema.

3 – Pouca produção de leite

Mulheres que passaram por procedimento cirúrgico para reduzir ou aumentar as mamas podem ter pouca produção de leite. Nesse caso, a solução para estimular as glândulas mamárias é oferecer o peito em intervalos mais curtos.

No entanto, fatores emocionais, como o estresse e a ansiedade, também podem ser responsáveis pela produção insuficiente de leite. Sendo assim, é muito importante que você e o seu bebê estejam em um ambiente tranquilo, especialmente no momento da amamentação

Converse sempre com o seu médico, ele vai te ajudar com dicas de como estimular a produção do leite e você poder curtir esse momento com o seu bebê. 

4 – Produção excessiva de leite

O excesso na produção de leite provoca sintomas como dor ao amamentar, vermelhidão e inchaço das mamas, tornando o processo mais difícil.

A produção excessiva de leite, também chamada de ingurgitamento mamário (conhecida popularmente como “leite empedrado), acontece quando o leite se acumula nos seios, principalmente nos casos em que bebê é recém-nascido e não dá conta de mamar tudo e o leite que sobra não é removido.

O incômodo pode ser amenizado fazendo massagens nos seios pouco antes de amamentar, mas é preciso que você fique atenta a esse problema, pois ele pode evoluir para uma mastite (inflamação dos ductos mamários), que causa mal estar e febre, exigindo a administração de antiinflamatório ou antibiótico. 

Por isso, lembre-se de contar com a orientação do pediatra ou outro profissional da área para que o excesso de produção de leite não se transforme em uma mastite.

5 – Entupimento dos ductos de leite

Os ductos de leite podem ficar entupidos quando os seios da mãe não são esvaziados com frequência, quando os intervalos entre as mamadas vão além do habitual ou até mesmo quando a mulher usa um sutiã muito apertado ou dorme de bruços.

Esse entupimento dos ductos de leite provoca o surgimento de caroços que deixam os seios doloridos. Para aliviar o desconforto são indicadas massagens e compressas mornas nos seios pouco antes de amamentar o bebê.

Se você perceber qualquer sintoma atípico, não espere que o problemas se resolva sozinho e procure logo um banco de leite, o pediatra ou outro especialista no assunto. 

 

Dicas para uma amamentação tranquila

Confira outras dicas importantes que vão ajudar você neste momento tão especial da sua vida e da vida do seu pequeno!

  • Beba bastante água, para se manter bem hidratada;
  • Alimente-se de modo saudável;
  • Não use sutiãs apertados e vista roupas confortáveis;
  • Durante o banho, lave os seios somente com água;
  • Enxugue os mamilos suavemente com uma toalha macia ou deixe os mamilos secarem ao ar livre;
  • Troque os protetores de seios com frequência, evitando que fiquem encharcados;
  • Passe leite materno no bicos dos seios;
  • Deixe seus seios apanharem sol durante alguns minutos por dia, de preferência antes das 10h e após as 16h;
  • Procure relaxar e evite situações estressantes;
  • Conte com uma rede de apoio;
  • Procure orientação de um profissional de amamentação.

 

Uma última dica muito importante é: informe-se o máximo que puder sobre o assunto com fontes realmente confiáveis e profissionais da área (e não dê atenção a “palpites”).


Não restam dúvidas de que a amamentação é benéfica para a vida do bebê como um todo, pois além dos benefícios para a sua saúde física, o ato do bebê ficar em contato com o corpo da mãe enquanto está sendo alimentado é uma forma muito valiosa de aumentar ainda mais a relação de afeto entre eles!


O ideal é que o bebê seja alimentado exclusivamente com o leite materno até os 6 meses de idade. Mas, mesmo com a introdução de outros alimentos na dieta do pequeno, ele pode continuar sendo amamentado até os 2 anos de idade.

Você gostou deste artigo? Aproveite para se cadastrar no Assistente Mamãe e Bebê e receba muito mais dicas!

Deixe um comentário