You are currently viewing Calendário de vacinas: saiba tudo sobre a saúde do seu bebê

Calendário de vacinas: saiba tudo sobre a saúde do seu bebê

Veja quais são as vacinas que o seu pequeno terá que tomar desde o nascimento até os 4 anos de idade.

Prevenir é sempre o melhor remédio e quando o assunto é a prevenção de doenças, logo nos lembramos das vacinas. Elas são tão importantes que, desde o nascimento até os 4 anos de idade, a criança tem uma série de doses que precisam ser tomadas. Elas imunizam contra diversas doenças, incluindo algumas que podem ser fatais, como o sarampo.

Ao nascer, o sistema imunológico do bebê ainda não está totalmente desenvolvido e a criança fica suscetível a infecções, causadas por vírus e bactérias que normalmente não existem no útero materno. É por isso que algumas doses são aplicadas logo que o bebê nasce.  

Como as vacinas que constam no calendário são recomendações do Ministério da Saúde, as doses podem ser aplicadas gratuitamente nos postos de saúde. É importante que você leve a caderneta de vacinação no dia da imunização, para que as doses recebidas sejam registradas e para que seja marcada a data da próxima vacina.   

Veja a seguir como será a rotina de imunização do seu bebê desde o nascimento até ele completar 4 aninhos.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

Calendário de vacinas do bebê

Atualmente, esse calendário – que é definido pelo Ministério da Saúde – inclui as seguintes vacinas:

 

Logo após o nascimento

  • Hepatite B: imuniza contra todos os subtipos conhecidos do vírus da hepatite B. Deve ser aplicada nas primeiras 12 horas após o nascimento;
  • BCG: dose única que previne contra vários tipos de tuberculose. Às vezes, a aplicação é feita ainda na maternidade.

 

2 meses

  • Pentavalente: 1ª dose da vacina contra difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções;
  • VIP: 1ª dose da vacina contra a poliomielite ou paralisia infantil;
  • VORH: 1ª dose contra a gastroenterite (em forma de gotinha);
  • Pneumocócica 10V: 1ª dose contra meningite, pneumonia, otite e doença invasiva pneumocócica.

 

3 meses

  • Meningocócica C: 1ª dose contra meningite meningocócica do serogrupo C.

 

4 meses

  • Pentavalente: 2ª dose com VIP da vacina contra a difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções;
  • VIP: 2ª dose da vacina contra a poliomielite;
  • VORH: 2ª dose contra a gastroenterite;
  • Vacina Pneumocócica 10V: 2ª dose contra doença invasiva pneumocócica, meningite, pneumonia e otite.


5 meses

  • Meningocócica C: 2ª dose, contra meningite meningocócica do serogrupo C.

6 meses

  • Pentavalente: 3ª dose da vacina contra a difteria, tétano, coqueluche, meningite e outras infecções causadas;
  • VIP: 3ª dose da vacina contra a poliomielite.

 

9 meses

  • Dose única contra a febre amarela.

 

12 meses

  • Pneumocócica C: reforço contra a meningite, pneumonia e otite;
  • Hepatite A: 1ª dose (a 2ª deve ser aplicada quando o bebê estiver com 18 meses);
  • Tríplice Viral: 1ª dose contra o sarampo, caxumba, rubéola e síndrome da rubéola congênita;
  • Meningocócica C: reforço contra a meningite C.

 

15 meses

  • Pentavalente: 4ª dose da VIP com 1º reforço da DTP, contra tétano, difteria e coqueluche;
  • VOP: 4ª dose contra poliomielite;
  • Tetra viral: imuniza contra o sarampo, rubéola, caxumba e catapora.


4 anos

  • DTP: 2º reforço contra o tétano, difteria e coqueluche;
  • Pentavalente: 5ª dose com reforço de DTP contra tétano, difteria e coqueluche.

 

Imunização contra o rotavírus

Além das doses que citamos acima – e que são obrigatórias, pois integram o calendário nacional de vacinação – o seu bebê também pode ser imunizado contra o rotavírus. Apesar de não proteger completamente a criança, a imunização abranda os sintomas da rotovirose, que podem levar à desidratação em questão de horas.

A imunização contra o rotavírus só pode ser feita a partir da 6ª semana de vida do bebê. Geralmente, a aplicação se dá aos 2, 4 e 6 meses de idade. Após a criança completar 3 meses e 15 dias, essa imunização não poderá ser feita, diferente do caso das vacinas obrigatórias. Caso você esqueça de imunizar o seu bebê na data indicada, procure o posto de saúde assim que lembrar. 

Para evitar esquecimentos, consulte sempre a carteira nacional de vacinação do seu bebê!

 

Atenção aos sintomas pós-vacina

Algumas crianças podem apresentar reação à vacina. Fique atenta caso o seu bebê tenha sintomas como irritação ou bolinhas vermelhas na pele, febre acima de 39ºC ou ainda, em casos mais graves, convulsões ou dificuldade para respirar, tosse ou barulho ao respirar.

Esses sintomas costumam aparecer nas primeiras horas após a vacinação e é importante que você procure o pediatra tão logo perceba algum desses sinais para impedir um possível agravamento do quadro.

É normal que o local da vacina (coxa ou braço) fique vermelho e dolorido, porém, se os sintomas não desaparecerem em, no máximo, uma semana, também será necessário procurar o médico.

Converse sempre com o pediatra do seu bebê. Ele poderá esclarecer todas as suas dúvidas a respeito do calendário nacional de vacinação, assim como outras questões ligadas ao tema, tais como: quando não vacinar a criança (febre alta ou a utilização de corticóides, por exemplo, são fatores que impedem a vacinação), como atenuar os sintomas colaterais mais comuns após a vacinação, como funciona o sistema imunológico do bebê, entre outros assuntos importantes.
Esse conteúdo foi útil para você? Aproveite para ler outros artigos interessantes no nosso blog!

Deixe um comentário