You are currently viewing Depressão pós parto: o que é, causas, como prevenir e como tratar

Depressão pós parto: o que é, causas, como prevenir e como tratar

Estudo aponta que a depressão pós parto afeta 25% das mães brasileiras. Neste post, vamos abordar as causas, os sintomas, saber como prevenir e tratar a doença!

Um estudo realizado pela Faculdade Oswaldo Cruz mostra que, no Brasil, 1 a cada 4 mulheres sofrem de depressão pós parto. Em alguns casos, a doença surge no primeiro mês após o nascimento do bebê e, em outros, até um ano depois.

Em cerca de 50% dos casos, os sintomas da depressão aparecem quando a mulher ainda está grávida. No entanto, eles podem passar despercebidos, muitas vezes até em função do desconhecimento sobre a doença.

Eu preparei este conteúdo justamente para que você saiba quais são as causas e os sintomas da depressão pós parto. Quanto mais conhecimento tivermos, mais fácil fica prevenir e tratar essa patologia, que pode, inclusive, atingir os pais. Acompanhe!

O que é depressão pós-parto?

Até certo ponto, é normal que as mães tenham alterações de humor e até crises de choro nas primeiras semanas após o parto, com sentimentos de tristeza, angústia e desesperança. 

Muitas vezes, isso é apenas o resultado das mudanças hormonais (baby blues) que ocorrem no organismo feminino durante e após a gravidez, somadas a todas as mudanças que o recém-nascido traz para a vida da nova mamãe.

No entanto, quando essas crises se tornam mais permanentes e intensas, é preciso acender o sinal de alerta. Esses sintomas característicos da depressão pós-parto podem, em alguns casos, evoluir para uma psicose pós-parto e até atingir os papais.

Quais são os sintomas da depressão pós parto?

Com uma observação um pouco mais atenta, é possível identificar a depressão pós-parto, que tem alguns sintomas bem típicos. Veja a seguir os mais comuns:

  • Falta de motivação: perda total de interesse por atividades do dia a dia, incluindo os cuidados com o bebê, e até mesmo com relação a atividades que antes eram prazerosas, como ouvir música, ler, cuidar do corpo etc. Este é um dos sintomas mais típicos da depressão pós parto. 
  • Alterações bruscas no apetite: o aumento ou a perda de apetite é bastante comum em quadros de doenças psíquicas. 
  • Insônia: muitas vezes, as mulheres que acabaram de dar à luz sofrem com a falta de sono e têm dificuldade para adormecer até mesmo quando o bebê está dormindo. Isso contribui para que ela se sinta sempre cansada e irritada. 
  • Mudanças de comportamento: há casos em que a mulher com depressão pós parto apresenta alterações comportamentais bruscas, com grandes e repentinas oscilações de humor, podendo apresentar, até mesmo, episódios de alucinação. Isso pode ser perigoso, tanto para ela quanto para o bebê. 
  • Pensamentos suicidas: pensar em morte e em suicídio é um sintoma grave da depressão pós-parto, aumentando o risco da mulher prejudicar a si própria ou ao bebê.

O que causa depressão pós parto?

São diversas as causas que podem desencadear a depressão pós parto. Confira a seguir uma lista de fatores que contribuem para o surgimento da patologia:

Alterações hormonais: depois de dar à luz, os hormônios progesterona e estrogênio, além de outros hormônios produzidos pela tireoide, têm uma queda drástica. 

Essa mudança no organismo da mulher pode resultar em uma sensação de tristeza e fadiga, favorecendo o surgimento da depressão.

Até mesmo as alterações no metabolismo, no sistema imunológico, na pressão arterial e no volume de sangue podem agravar as alterações de humor e o cansaço nessa fase. 

Questões emocionais: a privação de sono combinada com o estresse de situações rotineiras – os cuidados com o recém-nascido, pressões psicológicas e até mesmo o fato da mulher estar se sentindo menos atraente – podem contribuir para o surgimento da depressão pós parto.

No começo deste artigo, eu escrevi que os homens também podem desenvolver depressão pós parto. É isso mesmo! No caso deles, a doença pode surgir devido ao aumento das responsabilidades. A preocupação e ansiedade em garantir uma boa vida para o filho que acaba de chegar e a necessidade de dar um suporte maior à parceira, podem desencadear a doença também nos pais.

Rotina familiar: dificuldades para amamentar, bebê com problemas de saúde ou que chora muito por causa das cólicas – que apesar de muito comuns nos primeiros meses de vida da criança, podem deixar os pais desesperados -, questões financeiras, cuidados e preocupação com os filhos mais velhos, excesso de palpites vindos de familiares e conhecidos e falta de apoio do parceiro, são exemplos de gatilhos para a depressão.

Outros fatores de risco para a depressão pós parto

  • histórico de depressão pós parto anterior;
  • depressão anterior ou durante a gestação;
  • transtorno bipolar;
  • histórico familiar de depressão ou transtorno bipolar;
  • histórico de PMDD (desordem disfórica pré-menstrual), uma forma agravada de tensão pré-menstrual;
  • problemas de relacionamento com o parceiro.

Como prevenir a depressão pós parto?

Algumas atitudes podem evitar o surgimento da depressão pós parto e ajudar você a viver com mais tranquilidade esse período de mudanças que chegam ainda no período de gestação ou junto com o nascimento do bebê. Confira:

Atente-se para o seu histórico: caso você já tenha tido depressão em algum momento da vida ou possui parentes com esse histórico, é importante se prevenir. Ter consciência sobre uma possível predisposição à depressão e consultar um psicólogo para cuidar da sua saúde mental antes ainda do nascimento do bebê, é uma forma de evitar o surgimento da doença no pós parto.

Cuide da sua saúde: ter hábitos de vida saudáveis, com uma alimentação equilibrada e o mais natural possível, beber muita água e procurar descansar sempre que puder aumentam a sensação de bem estar e ajudam a afastar a depressão pós parto.

A prática de atividades físicas antes, durante e após a gestação – com acompanhamento e orientação profissional – também ajuda o organismo a liberar endorfina, conhecida como o “hormônio da felicidade”.  

Não seja tão exigente consigo própria: é normal se esforçar para cuidar bem do bebê, mas vá com calma, não se cobre tanto! Ler e se informar sobre os cuidados com o recém-nascido pode ajudar, mas saiba que as mães podem cometer erros e não há problemas quanto a isso. A maternidade é um aprendizado diário e o mais importante de tudo é a atenção e o amor que você dispensa ao seu pequeno!

Procure ajuda médica

Caso você sinta pelo menos 5 dos sintomas citados neste artigo, incluindo perda de interesse e tristeza, por um período de duas semanas ou mais, é hora de procurar ajuda médica, pois você pode estar com depressão pós parto. Quanto antes iniciar um tratamento, melhor e mais rápida será a sua recuperação.

Prevenir a depressão pós parto, que pode durar meses, é perfeitamente possível. Para isso, é preciso estar atenta aos sinais e sintomas que descrevemos e não hesitar em procurar ajuda profissional.

E o mais importante de tudo: se você apresenta algum desses sintomas ou já tenha confirmado a depressão pós parto, não se sinta envergonhada ou com raiva de si mesma. Esse tipo de doença é muito comum, você não é a única pessoa que passou por isso e também não será a última. 

Tenha em mente, apenas, que procurar ajuda é o melhor que você tem a fazer. Fará bem para você e para o seu bebê! Então jamais, jamais mesmo sinta vergonha de buscar ajuda.

Tenha uma rede de apoio

O puerpério por si só já é bastante difícil e quando somado à depressão, se torna algo extremamente impactante na vida da mãe. Ter alguém que apoia as suas decisões e que está disposta a ajudar é algo importantíssimo!

Tenha no seu convívio pessoas que estão dispostas a te ajudar, a te ouvir, a conversar e a cuidar de você. Reúna pessoas que auxiliem nas tarefas de casa, nos cuidados com o bebê, e principalmente, pessoas que tenham empatia para se colocar no seu lugar.

Tente afastar as pessoas que só criticam e que dizem que você está fazendo algo errado. Esse tipo de comportamento afetará você ainda mais! Afaste-se de pessoas tóxicas neste momento, e traga para perto apenas aquelas que querem o seu bem!

 

Gostou deste conteúdo? Compartilhe com outras mamães nas redes sociais, pois a depressão pós parto é um assunto sério! Como vimos, ela afeta 25% das gestantes no Brasil.

E já que você está aqui, aproveite para ler o artigo sobre cuidados com o recém-nascido.

International Services. viagra Video Visits: Telemedicine.

Deixe um comentário