You are currently viewing 6 erros que toda mãe de primeira viagem comete
mãe de primeira viagem

6 erros que toda mãe de primeira viagem comete

O novo assusta, principalmente quando você se torna mãe de primeira viagem: de repente há uma nova vidinha que depende inteiramente de você! Apesar de todas as leituras e informações que são consumidas durante a gestação, quanto mais perto a chegada do neném, maiores podem ser os medos e inseguranças.

O mais importante é saber que a maternidade, principalmente para as mamães de primeira viagem, é uma experiência de constante aprendizado.

Sabendo que ninguém é perfeito e que muitas mamães já cometeram alguns equívocos durante os primeiros meses de vida dos seus bebês, nós reunimos aqui alguns erros comuns para que você, de antemão, possa conhecê-los e evitá-los.

Seis erros mais comuns da mãe de primeira viagem:

1. Duvidar do instinto materno

Por mais clichê que pareça, quando o bebê nasce, nasce também uma nova mulher com seus instintos mais apurados. É natural que a mãe passe a ter um sono mais leve e que seu corpo fique mais resistente ao cansaço e dores que porventura surjam. Por isso, mesmo em situações adversas, a mãe instintivamente saberá o que fazer, mesmo sendo o seu primeiro filho. 

Ademais, o recém-nascido não saberá expressar suas necessidades, então confie em você e nas suas intuições para atendê-lo. Acredite, ele também confia em você e no seu potencial!

2. Alimentar-se mal durante a amamentação

Sabemos que o leite materno deve ser, se possível, o único e principal alimento para o recém-nascido. 

O processo de produção do leite materno requer muitas calorias do corpo da mãe para acontecer. Para que seja produzida a quantidade suficiente, a mãe deve comer bem e saudável, além de ingerir bastante água. Outros líquidos, como chás, também podem ser ingeridos. Por isso, mamãe, tenha em mente que a má alimentação, falta de líquido no organismo e o cansaço podem prejudicar não só a produção do leite, mas o seu bem-estar como um todo.

3. Pensar que o leite materno não é suficiente

Não existe leite fraco ou ruim. Lembre-se: todo leite materno é forte e suficiente. Assim que o bebê nasce, é natural que a produção de leite seja pequena, mas ela tende a aumentar conforme o recém-nascido passa a mamar mais. 

Portanto, se você tiver a possibilidade de amamentar o seu pequeno, é ideal que o faça em livre demanda pelo menos até os seis meses de vida do bebê. Fuja de palpites do tipo “ele chora muito, deve estar com fome, porque não dá uma mamadeira para complementar?”. Acredite, seu leite é suficiente.

Busque sempre a orientação e acompanhamento de um pediatra pró-amamentação e siga tranquila com seu pequeno!

4. Impor silêncio enquanto o bebê dorme de dia

Nos primeiros dois meses de vida, aproximadamente, o bebê dorme muito e o tempo todo. Ele acabou de sair de um ambiente que era bem barulhento (o útero da mãe), além de escuro o tempo todo. Os bebês, no início, não possuem o amadurecimento fisiológico para diferenciar o dia da noite. 

Por volta de um mês e meio de vida, o padrão de sono começa a reconhecer os ciclos de luz-escuridão, levando-o a querer dormir mais durante a noite.

Você pode auxiliar o bebê no entendimento de qual o “período correto” para dormir: mantenha, durante o dia, os níveis de ruído cotidianos da casa, além de não escurecer muito o ambiente em que ele dorme durante as sonecas. Ao final do dia, vá reduzindo o ritmo da casa, tanto em termos de barulho como de luz, para que o bebê passe a perceber que está anoitecendo e vá desacelerando também. Caso seja imposto silêncio total enquanto o bebê tira seus cochilos, posteriormente qualquer barulho poderá assustá-lo e acordá-lo, além de dificultar seu entendimento de noite e dia.

5. Encher o bebê de roupa

É evidente que o bebê precisa estar sempre bem agasalhado, pois é natural que sinta um pouco mais de frio que crianças maiores. Mas isto não significa que ele não sinta calor e deva ser vestido com excesso de roupa. Ao agasalhar o neném, a mãe precisa ficar atenta se ele suará, pois é um sinal de que ele está com calor e vestido de forma exagerada.

O excesso de roupa também pode causar irritação no bebê, uma vez que isso pode dificultar que ele se mexa, Em casos mais extremos, pode até causar complicações graves, como febre e desidratação.

6. Fazer comparações com outros bebês

Por serem mães de primeira viagem e não terem experiência com os cuidados, rotina e desenvolvimento de um bebê, muitas acabam se auto sabotando e comparando o seu filho com outras crianças. Isso pode ser muito prejudicial, tanto para a mãe quanto para o bebê.

Por isso, é importante entender que cada criança é única e que se desenvolverá de maneira diferente. Se o bebê estiver se desenvolvendo no ritmo considerado normal, não há razões para se preocupar. Quaisquer dúvidas em relação a isso, podem ser tiradas nas consultas com o pediatra. 

Deixe um comentário