You are currently viewing Quais sintomas que as grávidas não devem ignorar? Conheça todos

Quais sintomas que as grávidas não devem ignorar? Conheça todos

Enjoos, inchaços, sensação de cansaço são alguns dos desconfortos naturais em uma gestação. Provavelmente você já leu a respeito ou mesmo sentiu na pele alguns deles, né, mamãe? No entanto, existem sintomas que as grávidas não devem ignorar durante uma gravidez, já que podem indicar uma algo mais grave.

Estes sintomas representam algum risco não apenas para o bebê, como também para a mãe. Veja a seguir todos que jamais devem ser ignorados e precisam de atenção.

  • Dores de cabeça forte, tontura e alteração na visão
  • Febre acima de 37,5ºC
  • Perda de equilíbrio, desmaios ou tonturas
  • Muito inchaço na mão ou no rosto
  • Vômitos e enjoo excessivo
  • Dores no peito e dificuldade em respirar
  • Muito cansaço e sensação de moleza
  • Dores abdominais muito fortes
  • Sangramentos ou secreções de líquidos vaginais
  • Atenção aos movimentos do bebê

Continue a leitura para entender melhor estes sinais e o que pode significar cada um dos sintomas que as grávidas não podem ignorar. E, claro, o médico deve ser procurado sempre.

Confira 10 dicas para ter uma gravidez tranquila

Dores de cabeça forte, tontura e alteração na visão

Uma dor de cabeça que não passa, mesmo com muita hidratação e/ou medicação, por mais de duas horas e que pode vir acompanhada de tonturas e alteração na visão são sintomas que as grávidas não devem ignorar. Isso porque pode ser indicativo de pré-eclâmpsia (PE), a principal causa de morte materna no Brasil. A elevação da pressão arterial eleva o risco de parto prematuro.

Para entender melhor, a mamãe deve verificar se não é apenas um sinal de que está cansada demais por causa de atividades neste mesmo dia. Caso contrário, e se acompanhado de muito inchaço, o médico deve ser procurado imediatamente.

Febre acima de 37,5ºC

As febres são sinais de que o corpo está combatendo algum tipo de infecção. Principalmente para gestantes, a febre acompanhada de ardência ao fazer xixi ou dores de garganta são sinais de infecção urinária, ou pulmonar. A ingestão de líquidos e repouso acompanham a prescrição de anti-térmico pelo médico.

Por outro lado, a temperatura superior aos 39ºC é sinal para que a grávida seja levada a um pronto-socorro para um diagnóstico. Afinal de contas, as infecções podem se agravar e, também, causar reflexos na gestação.

Perda de equilíbrio, desmaios ou tonturas

A sensação que o mundo parece girar e que pode vir acompanhado de um apagão ou mesmo desmaio pode ser indicativo de má alimentação. No entanto, se tiver ainda dores de cabeça ou falta de ar, por exemplo, pode ser pressão baixa ou anemia. São sintomas que as grávidas não devem ignorar porque indicam o surgimento de doenças como pré-eclâmpsia ou problemas de coração, ou pulmão.

No início da gestação, é comum a moleza, mal-estar e até eventuais desmaios. Mas, se os primeiros exames do pré-natal não apontaram problemas, estes sintomas são sinais de alerta. Principalmente após os 4 meses de gestação.

Muito inchaço na mão ou no rosto

O inchaço é comum nos últimos meses de gravidez, sem dúvida. No entanto, chegar ao ponto de deformar é um sinal de alerta. Se a mãe não consegue dobrar os dedos da mão ou mesmo abrir os olhos totalmente, pode ser Doença Hipertensiva Específica da Gravidez (pré-eclâmpsia). Se ocorrer de forma repentina, o médico deve ser consultado imediatamente.

Vômitos e enjoo excessivo

Primeiramente, há uma diferença entre os sinais de descoberta da gravidez para estes. Vômitos frequentes e enjoos intensos prejudicam a alimentação. Por sinal, em alguns casos, até líquidos não param no estômago da mãe. Se aparecerem também dores de cabeça, febre ou tonturas, pode ser hiperemese gravídica. Essa condição causa desidratação em grávidas e interfere na formação do bebê.

Enjoar ou mesmo vomitar até duas vezes ao dia, é normal no início da gravidez. No entanto, há riscos como perda de vitaminas e minerais importantes não só para a mãe, mas também seu bebê. Em casos graves, pode ocorrer internação hospitalar.

Dores no peito e dificuldade em respirar

Alterações da frequência cardíaca podem ser apenas um indicativo de ansiedade, por exemplo. Por outro lado, se acompanhado de pressão alta, inchaços e dores nas costas e braços, é um sintoma que as grávidas não devem ignorar.

Sendo assim, o melhor é procurar um pronto-socorro. O diagnóstico é bem variado, mas – tomara – às vezes não passa de uma crise de ansiedade. Aliás, a ansiedade é algo muito comum em gestantes.

Muito cansaço e sensação de moleza

Não ter disposição para fazer pequenas coisas ou mesmo não se sentir revigorada após o sono ou período de descanso devem ser vistos com atenção. As causas para isso são variadas. Pode ser desde anemia, tratada com alguma facilidade, até depressão. O ideal, sem dúvida, é a consulta ao médico. Por meio de exames, ele fará o diagnóstico e apontará o tratamento, caso necessário.

Dores abdominais muito fortes

Uma dor na barriga intensa que lembra câimbras e que não passa depois de certo tempo, é diferente das cólicas que a grávida sentiu no início da gestação. É um sintoma que as grávidas não devem ignorar porque pode indicar uma infecção grave, uma gravidez ectópica (fora do útero), descolamento de placenta ou até trabalho de parto prematuro.

Contar com o acompanhamento médico, em todos os casos, é fundamental. Para os demais problemas, pode ser necessário internação, repouso ou outro procedimento.

Sangramentos ou secreções de líquidos vaginais

Uma ou outra manchinha não é sinal de preocupação. Mas sangramento volumoso, corrimento que cheira mal ou fluido diferente são sintomas que as grávidas não devem ignorar. As causas são bem variadas. Entre elas estão o aborto espontâneo, descolamento de placenta ou trabalho de parto prematuro. A procura do atendimento médico imediato e urgente é o melhor a fazer ao perceber estes sinais.

Mas, saiba que a perda de líquido claro pela vagina por volta da 30ª semana de gestação pode significar que a bolsa estourou.

Atenção aos movimentos do bebê

Antes de tudo, cada bebê na barriga da mãe tem seu próprio ritmo. Por outro lado, se a mulher desconfia de alteração no padrão ou que não está se mexendo, é preciso ficar atenta. As causas são bem variadas.

Pode ser que esteja apenas dormindo, como também pode ser indicativo que não recebe quantidade suficiente de oxigênio ou nutrientes, que prejudica a formação, ou pode até causar o parto prematuro.

Para ficar atenta, mamãe: depois da 34ª semana de gestação, não é normal ficar mais de 6 horas sem sentir o bebê se mexer. Estimular a barriga para tentar perceber uma resposta é a primeira atitude. Caso não sinta resultado, informe o obstetra e procure ajuda médica.

Gostou desse conteúdo, mamãe? Continue acompanhando o blog da Bilila Baby para mais dicas que vão ajudar muito você.

Deixe um comentário